sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Como ser um bom cliente

Depois de 2 meses trabalhando em uma grande rede de cafés de São Paulo, resolvi dar umas dicas aos nossos clientes de cada dia, para evitarem confusões, irritações e desconfortos alimentares no geral.


- O trabalho de um garçom/barista é infernal.
Exaustivo, intenso e ativo. No meu caso, eu fazia de tudo: tirava cafés, tirava o lixo, limpava, era garçonete quando necessário - e quando conseguia tirar a mala que era a 'garçonete oficial'. As jornadas de trabalho são longas, e o tempo de descanso é curto. A minha era das 15h20 às 23h, com meia hora de descanso, de segunda a segunda, com uma folga por semana - nunca aos sábados, e raramente aos domingos.

- Garçons/baristas não são seus empregados.
Você não paga diretamente o salário deles, que, aliás, é fixo, e não por cliente atendido. Seja gentil. Ou tente. Tudo bem, todos temos aqueles dias trevas, mas lembre-se de que você pode não ser o único em um mesmo dia. A zica - e a lei de Murphy - vem para todos. Comigo não aconteceu, mas sim, há pessoas que colocam "ingredientes extra" na comida alheia.

- Portanto, trate bem os funcionários do local.
Dê bom dia, sorria, acene com a cabeça, solte um sinal de fogo, mas olhe para o garçom. Não o ignore, e, se ele falar com você, responda. Já atendi clientes que não olhavam na minha cara, ou não respondiam quando eu cumprimentava.

- Sim, nós colocamos as mãos na sua comida.
Você quer o produto e o quer rápido, certo? Ou alguém quer e acaba apressando o seu pedido. Nunca dá para ser 100% limpo em tudo. Na verdade, nunca dá para ser 60% limpo em tudo. Quer comida pura? Coma em casa.

- Sim, a lei dos 5 segundos existe.
E a dos 10....e a dos 15. Lembre-se de que os funcinários tem que pagar por aquilo que quebram e pedidos errados. Lembre-se de que o salário dele não é tão bom quanto o seu.

- Não desista de produtos depois de prontos.
A não ser que você esteja disposto a pagar por eles. Se não, temos que escrever uma ocorrência, e ainda levamos bronca.

- Não marque reuniões em um café sem consumir alguma coisa.
Você, queridinho, vai juntar mesas, usar nossos guardanapos para escrever, fazer barulho, ocupar espaço de outros clientes, e só vai pedir um copo de água de torneira?!

- Não reclame do preço.
Nós não temos nada a ver com isso. O preço está no cardápio. Se você quis comer as coisas mais caras e achou que ia pagar uma miséria, ledo engano, filho.

- Saiba fazer o seu pedido.
Há clientes que, por exemplo, pedem um 'expresso', ou seja, um café puro. Quando você tira e entrega, o querido vira e fala: "era com leite". Bom, mas então você queria um expresso com leite, não?!

- Não, o cliente não tem sempre razão.

- Se não quiser pagar os 10%, tudo bem, mas não estresse.
Se você estressar, é pior, e nós vamos te chamar de mão de vaca pelas suas costas.

- Não faça escândalos.
Não grite, não chame a garçonete de 'queridinha', 'amorizinho', 'menina'. Nós tentamos ser profissionais, basta levantar a mão, dizer 'por favor', ou apertar o display.

- Não use substâncias ilícitas nos banheiros.
Sim, já aconteceu.

- Não tome banho, ou lave alguma parte do seu corpo que não seja suas mãos, braços, rosto, ou algo que sujou. Definitivamente não lave os cabelos. Sim, já aconteceu.

- Casais: não se tranquem no banheiro para dar uns amassos. E definitivamente não façam isso no salão.
Já tivemos casos de casais héteros e homossexuais que conseguiram que outros clientes fossem embora pelo seu comportamento. Lembre-se das crianças. Bom senso é bom e nós gostamos.

- Não leve sua amante para tomar um café.
Na verdade, não leve a sua amante, ponto. Sim, nós descobrimos. Sim, nós comentamos. Sim, alguém que você conhece eventualmente vai descobrir - por nós ou não.

- Não seja preconceituoso.
Não nos trate como se fóssemos analfabetos, pobres e mortos de fome. Sim, nós sabemos contar...e ler.

- Quer recompensar o seu garçom? Não pague os 10%, dê gorjeta.
Algumas casas não repassam os 10%, mas é recomendável pagar os 2. Mesmo que sejam R$0,05. Acredite, faz diferença.

- Se você levantou para pegar revistas e jornais, você pode levantar para guardá-los.
O mesmo vale para xícaras, ou o que quer que seja que você sujou. Quando puder, leve até o balcão. Nós agradecemos - e muito.

- Não tire nada da bandeja do garçom.
Ela está estrategicamente montada para manter o equilíbrio quando ele começar a tirar as coisas. Se você enfiar a sua mãozona lá, pode desequilibrar e cair tudo em cima de você. E o garçom ainda tem que limpar a sua sujeira.

- Aliás, não faça sujeira.
Ou tente. Mas se emporcalhou tudo, tente dar aquele 'tapinha'.

- Seja paciente.
Principalmente quando o atendente é novo. E sim, por incrível que pareça, acidentes acontecem. O tempo todo. Nós queimamos produtos, tiramos errado. Acontece. Temos centenas de clientes por dia. Às vezes falha.

Obs: Se a casa estiver cheia, considere mais severamente ainda os itens acima.

Obs²: O uso do 'nós' refere-se a garçons/baristas/atendentes, e não ao lugar onde trabalhei.

Você não tem que fazer isso todas as vezes, ou todos ao mesmo tempo.
Ou algum, se você julgar que não é o certo.
Essas são apenas dicas.

Um comentário:

Pedro Zambarda disse...

Confesso que sou um funcionário que você categorizaria como "chato".

Mas, no item "a culpa do preço não é nossa" eu adicionaria uma saída pro próprio garçom: chama o gerente, independente do pepino.

Posts mais lidos