quinta-feira, 11 de março de 2010

Um Mississipi

Tratando de um assunto polêmico como a adoção de adolescentes, o filme The Blind Side é delicado, assustador, e real


Baseado na história real de Michael Oher, atual jogador do Baltimore Ravens, o filme Um Sonho Possível (The Blind Side, 2009) traz um elenco brilhante, com Kathy Bates, Tim McGraw, Quinton Aaron, e Sandra Bullock - que levou o Oscar de Melhor Atriz no último domingo (07/03).

O jovem Big Mike, como é apelidado, tem quase 18 anos e vive na rua há tantos outros. Com o pai desaparecido desde seu nascimento e uma mãe viciada em crack, Michael não teve muita escolaridade, e dorme de favor na casa de um conhecido.

Apesar de seu background – e de seu tamanho -, ele tem um coração bom, puro e inocente. Em visita a uma escola católica de um condado branco e burguês dos Estados Unidos, Mike consegue uma vaga como promessa de sucesso no futebol americano. Sua posição seria como left tacle, protegendo o lado cego (em inglês, blind side) do quarterback, o jogador principal.

Não podendo mais ficar na casa onde antes dormia, Michael passa as noites na academia do colégio, e tem consigo – além da roupa no corpo - apenas uma sacola com uma camiseta extra. Com dificuldade para acompanhar a classe, Mike chama a atenção dos professores, que passam pelo dilema de empenhar-se para ajudar, ou não.

Saindo de um jogo da escola, a família Tuohy, dona de 85 lojas de redes de fast food, vê o garoto na rua e resolve levá-lo para casa. Conforme se conhecem, vão criando laços, e passam a mudar as vidas uns dos outros. Adotado legalmente, com investimentos em seus estudos, moradia, alimento, e treinos de futebol, Michael consegue bolsas de estudo em praticamente todas as faculdades do país.

O verdadeiro Michael Oher

Com vários socos no estômago, o filme de John Lee Hancock assusta pelo passado de Mike nos subúrbios, e todo o esforço que fez para chegar onde está. O exemplo da família Tuohy inspira, mostrando que – como no futebol americano - nós podemos fazer a diferença na vida dos outros, protegendo-os e dando abertura para que eles obtenham sucesso. Para isso, basta tomar iniciativa.

Um Mississipi.

3 comentários:

*LIS disse...

Tomara que seja bom mesmo, para render a Bullock novamente o Oscar de melhor atriz, vencendo a menina de Preciosa...

waldisson disse...

Vale a pena assistir , um filme muito bom e retrata o simples e verdadeiro amor.. Assim como diz a Biblía amai uns aos outros como a si mesmo...

lu disse...

adorei o filme e o tema abordado, não apenas a adoção mas os valores que tanto pessoas de grande poder aquisitivo podem ter como os pobres e oprimidos, acho que o filme levanta questões de diversos patameres do peconceito e como eles podem ser superados, tais como ricos e´pobres, brancos e negros,escolas publicas e privadas, ajudar um estranho e abrig´´a-lo ou não, adotar ou não, amei o filme.

Posts mais lidos