domingo, 14 de março de 2010

Falecimento de Glauco Vilas Boas e repercussão

Quatro tiros dados em cada uma das duas pessoas em Osasco fragilizaram uma família e acabaram com a carreira de um cartunista famoso. Glauco Vilas Boas e seu filho Raoni foram brutalmente assassinados por sequestradores às 0h do dia 12 de março. Na manhã seguinte, o sistema de microblogs Twitter divulgou amplamente a notícia, que foi foco de telejornais como Jornal Hoje, da Globo. No dia seguinte, a Folha de S.Paulo, periódico no qual Glauco publicou muitas de suas charges, incluindo personagens como Geraldão, Geraldinho e Dona Marta, prestou uma homenagem com um especial de seis páginas com a história do desenhista.

Sua carreira foi marcada tanto pela transgressão nos anos 1970 e 80 ao lado de nomes como Angeli e Laerte, que rendeu uma edição especial do quadrinho Chiclete com Banana com a expressão "Los tres amigos". O título faz referência a amizade entre os cartunistas, que floresceu no período da ditadura militar no Brasil. O papel que a arte de Glauco tinha não era apenas de entreter, mas criticar sobriamente nosso país, mesmo através de personagens bizarros e caricatos que marcaram a cultura nacional.

Segundo o texto do jornalista Matias Suzuki Jr, no especial da Folha de S.Paulo, além da ligação de Glauco com o seguidores do Santo Daime, era notória sua anarquia dentro dos jornais, chegando em cima do horário do fechamento e refletindo muitos fatos de seu próprio cotidiano em desenhos simples e extremamente caricatos, em histórias absurdas. Glauco estreou na Folha Ilustrada em 1983. Quase trinta anos totalmente dedicados ao humor na imprensa brasileira.

Posts mais lidos