sexta-feira, 31 de julho de 2009

Sobre Inimigos Públicos

Michael Mann reedita sua obsessão. Agora nos anos 30.

Michael Mann é daqueles cineastas que conseguem atrair a atenção do mundo quando lança um novo filme. Se encontra naquele seleto grupo de diretores que tratam cada novo trabalho como algo único, que deve ser esmerado ao máximo. Daí sua produção é realmente reduzida em um filme a cada três ou quatro anos. O que vem de bom a partir deste metodismo é a qualidade inquestionável de todos os seus trabalhos. A nova obra do diretor americano, Inimigos Públicos, não é diferente, exalando bom trabalho a cada nova cena que surge na tela.

Retratando a caçada humana que J. Edgar Roover e Melvin Purvis instituíram contra o “inimigo público” John Dilliger à partir de 1933, Michael Mann acaba por retratar com perfeição a obsessão americana em relação ao crime. E ninguém poderia fazer isto melhor que o próprio Mann. Ele dirigiu Profissão: Ladrão, Colateral, Miami Vice e o clássico Fogo contra Fogo. Todos são testemunhos da paixão que tem por retratar o crime não apenas em sua forma pura ou maniqueísta, mas como máscara para mostrar também o lado obsessivo do homem em relação a seu trabalho. Mostra sempre não apenas os lados negativos, mas também os positivos – por mais pessoais e egoístas que sejam.

John Dillinger não era um assaltante comum. Seu perfeccionismo, seu código – que não pode ser confundido com honra - e sua obsessão pela promoção da própria imagem fizeram dele uma lenda nos EUA da Grande Depressão. O público adorava ver um homem roubar os bancos que mantinham seu dinheiro, e nunca tirar um centavo dos cidadãos. O vilão da história aos olhos de um povo faminto era o Estado e J. Edgar Roover (Billy Crudup perfeito), não John Dillinger. E é neste contexto que surge Melvin Purvis. Detetive de inabalável fé na lei e um dos poucos policiais éticos em uma Chicago que se auto-consome por causa do crime.

Apesar da presença da namorada de Dillinger, interpretada por Marion Cottilard, é inegável que o filme gira em torno do confronto entre Dillinger e Purvis. Portanto, a escalação de Johnny Depp e Christian Bale se tornou fundamental. Em uma estrutura que lembra o embate entre Robert de Niro e Al Pacino em Fogo contra Fogo, os atores contracenam em apenas uma cena, mas que vale pelo filme inteiro. Cada cena importante em relação a cada personagem, e é tratada com uma delicadeza impar. Seja o momento que Melvin vê um parceiro morrer ou Dillinger apreciando com raro êxtase a mega-operação construída apenas para lhe caçar. O contraste de personalidades, a diferença nos métodos, a ideologias distintas... não há elemento mais forte em Inimigos Públicos, ou em qualquer outro trabalho de Mann, do que seus protagonistas. Se eles falharem, tudo cai por terra. E felizmente não é o que ocorre por aqui.

Tecnicamente o filme é um primor. Ninguém sabe usar a tecnologia digital como Michael Mann. Se ele revolucionou o cinema de ação filmando o tiroteio principal de Fogo contra Fogo e fez de Los Angeles e Miami personagens vivas em Colateral e Miami Vice. Aqui podemos sentir a tensão em cada cena que Mann carrega na mão suas câmeras HD. A trilha sonora e a edição também são levadas à precisão pelo cineasta, resultando em uma direção que se mostra impecável durantes as 2 horas e meia de filme. O ápice, como não podia deixar de ser, é o desfecho do filme, mais uma das seqüências inesquecíveis que o diretor se habitou a fazer em sua carreira.

Mesmo não sendo perfeito, Inimigos Públicos já surge como um dos melhores filmes do ano até aqui. Um encerramento adulto e pesado para o fim da temporada de blockbusters do cinema americano, que teve neste ano de uma de suas safras mais fracas. Mas talvez o grande mérito deste filme seja mostrar que o próprio Michael Mann poderia ser um de seus personagens. Nunca um diretor se mostrou tão obcecado por um tema e ao mesmo tempo pela perfeição quanto ele. Quem sabe seja este o resumo de sua carreira. Melvin Purvis ou John Dillinger, Max ou Vincent, Neil McCauley ou Vincent Hanna e, até mesmo, Muhammed Ali. Quem sabe, no fundo, todos estes homens sejam apenas Michael Mann.

4 comentários:

Dri Viaro disse...

Oi, estou passando pra conhecer seu blog, e lhe desejar um ótimo fim de semana
bjsss

Aguardo sua visita :)

Pedro Zambarda disse...

Obrigado. :]

Eduardo Martins disse...

pow, deu mais vontade ainda de ver o filme! manero!!

Lin Liu disse...

cheap soccer jerseys
bottega veneta handbags
michael kors handbags,michael kors outlet,michael kors outlet online,michael kors,kors outlet,michael kors outlet online sale,michael kors handbags clearance,michael kors purses,michaelkors.com,michael kors bags,michael kors shoes,michaelkors,cheap michael kors 
michael kors factory store,michael kors outlet online sale,michael kors,kors outlet,michael kors outlet,michael kors handbags,michael kors outlet online,michael kors handbags clearance,michael kors purses,michaelkors.com,michael kors bags,michael kors shoes,michaelkors,cheap michael kors
cheap oakley sunglasses
moncler jackets
ravens jerseys
chanel outlet
miami dolphins jerseys
new york jets jerseys
air max 2015
dan marino jersey,louis delmas jersey,brent grimes jersey,cameron wake jersey,mike wallace jersey,dan marino jersey,cameron wake jersey
nfl jerseys wholesale
michael kors bags
michael wilhoite jersey,y.a. tittle 49ers jersey,justin smith jersey,nike 49ers jersey
bottega veneta wallet
hermes belt
lebron james jersey
giants jersey
ugg boots clearance,ugg australia,uggs on sale,ugg slippers,uggs boots,uggs outlet,ugg boots,ugg,uggs
nike soccer shoes
custom mlb jerseys
nike trainers,nike trainers uk,cheap nike trainers,nike shoes uk,cheap nike shoes uk
nike sneakers
ray ban sunglasses outlet,ray ban sunglasses,ray ban,rayban,ray bans,ray ban outlet,ray-ban,raybans,ray ban wayfarer,ray-ban sunglasses,raybans.com,rayban sunglasses,cheap ray ban
gucci outlet
coach outlet canada
coach outlet
longchamp handbags
oakley sunglasses, http://www.oakleysunglasses-outlet.us.com
liu2015828

Posts mais lidos