domingo, 27 de julho de 2008

Muito além do rock´n´roll


Quando uma banda japonesa coloca instrumentais simples – duas guitarras, um baixo e uma bateria – para gerar repetições hipnóticas e ritmos exóticos, o rock deixa de ser simples rock. A música do grupo Mono vai de pequenos e sensíveis toques nos instrumentos para uma atmosfera transcendental.

Por Pedro Zambarda de Araújo

Pouquíssimo conhecido no cenário musical pop, Mono surgiu em 2000 com uma proposta musical puramente instrumental em selos de produção independentes, como o Tzadisk Records e a Ryko Disc, ambos norte-americanos. Vindos de Tóquio, a baixista Tamaki Kunish, os guitarristas Taakakira Goto e Yoda, além do baterista Yasunori Takada fazem uma música tranqüilizante, enriquecida por efeitos bem colocados e até mesmo “pesada” em determinadas passagens, em trabalhos cuidadosos com a cadência, o compasso, de cada música.

Lançado em 2007, Gone: A Colection of EPs 2000-2007 traz os singles que o grupo lançou durante toda sua carreira e, dessa forma, mostra sucintamente como é a música de Mono. Essa diversidade de material permite que o ouvinte realmente entenda o que é o chamado post rock (ou pós-rock, na tradução): uma mescla do virtuosismo e das composições complexas do rock progressivo com a atualidade do rock alternativo.

Dessa forma, Finlandia abre o álbum com uma batida simples acompanhada de guitarras que soam “cristalinas” com efeitos de delay e palhetada alternada. A melodia dessa música sugere, de forma clara, uma iniciação para o material, evoluindo muito lentamente e tendo um ápice onde as distorções dos instrumentos imperam, gerando um clima pesado, mas completamente de acordo com a introdução musical. Parece que você está visitando o país da Finlândia, de uma maneira totalmente musical

Com ritmo mais quebrado e efeitos de sintetizadores adicionados, Black Woods causa claustrofobia com um som de “interferência eletromagnética”, que contrasta claramente com a música anterior. Yearning, a maior música do material (15min36s, uma epopéia sonora, literalmente) começa com alguém falando ao fundo (provavelmente o título da música), seguindo com uma guitarra limpa e afinada que vai, aos poucos, ganhando peso. Dessa maneira, a distorção novamente atinge o volume máximo. A música tem um compasso quebrado que é compensado por outra guitarra que sobrepõe esse “espaço”, dando um ritmo complementar a música. Em resumo, Yearning é uma composição progressiva rica em ritmo, que lembra Finlandia, mas com mais agressividade e efeitos.

Se as progressões e as construções caóticas foram marcas das outras músicas, Memorie Dal Futuro mostra que o restante do CD não será diferente, sendo todo inesperado e com músicas compridas. Ela não começa muito parada, mas toca notas suaves e doces, dando uma atmosfera das mais estéticas e agradáveis antes da forte distorção. As fortes pancadas alternadas dadas com a palheta, ao fim da melodia, fazem você duvidar que é a mesma música que estamos escutando. Um violino que toca ao fundo começa a ganhar o primeiro plano da composição, enquanto as notas das guitarras elétricas lembram músicas japonesas tradicionais. Memorie é uma obra de arte à parte dentre tantos materiais bons. É agradável, sensível e sincera durante seus quase 10min de duração.

Due Fogile, Una Candela Il Soffio Del Vento (do italiano: duas folhas, uma vela e o sopro do vento) traz uma sensação mais sombria e com uma melodia mais constante, embora a música soe esperançosa, apesar de seus efeitos sonoros conturbados. É uma faixa mais curta em relação ao que foi tocado até agora, com apenas 3min40s de tempo.

Eis que a mais curta de todas. Since I´ve been waiting for yo (2min50s) é um “calmante sonoro”: ela lembra uma canção de ninar, mas com uma melodia mais madura, mais desenvolvida. Sem dizer uma única palavra em letra, em linguagem letrada, a música parece fazer um pedido para a calma, para a paz interior.

Gone é a faixa-título deste copilado de singles e, seguindo as duas anteriores, possui uma constância maior em relação às músicas do começo do material. Sua composição lembra músicas japonesas bem folclóricas e seu ápice não é feito com distorção pesada, mas com uma palhetada alternada com som limpo. É uma composição sobre evolução, sobre desenvolvimento e, ao final, ausência. Gone não traz somente sensações simples, mas traduz o sentimento de processo, de acontecimentos.

Com uma baixa distorção de Gone, Black Rain vai transformar a música em uma melodia limpa e melancólica no começo para evoluir para uma distorção cantada (em italiano) e um peso instrumental que sugere confusão, drama, tragédia, mesmo com uma sonoridade bem afinada entre todos os músicos. Essa melodia passa uma sensação de dificuldade, de amargura, com uma beleza que apenas a mortalidade pode oferecer. É uma sensação próxima da morte.

O violino de Rainbow marca a boa-nova: é uma música de renovação com ares tipicamente japoneses. Não parece rock, nem de longe, mas sim uma música clássica que sobreviveu aos tempos. Essa faixa serve como complemento aos diversos sentimentos, sentidos e sensibilidades que esse material traz.

Os pequenos sinos de Little Boy (1945-Future) anunciam essa música que tem um significado vindo do próprio nome: é sobre o homem pós-moderno, que surgiu com o fim das guerras mundiais, com o estabelecimento da globalização e de um mundo totalmente distinto de todos os anteriores. Little Boy tem uma melodia melancólica, violinos de música clássica e a distorção pesada que, junto com todas as progressões e digressões, permearam a criatividade dessa banda que é Mono. No entanto, apenas de tantos elementos reunidos, o som soa inocente do começo ao fim. Little Boy sugere que, apesar da complexidade do mundo moderno, ainda somos garotos. Somos um começo.

Interpretar Mono não é fácil, pois não há letras e não há critérios instrumentais capazes de captar todas as subjetividades deles. Gone: A Colection of EPs 2000-2007 traz uma noção riquíssima do que é essa banda, que é totalmente desconhecida do público e que dificilmente vai aparecer em uma MTV. Mas, mesmo com esse panorama, se torna quase inevitável conhecer o restante do material, que é ainda mais denso e mais completo que o CD resenhado neste texto.

De forma reducionista, considero Mono muito parecido com Pink Floyd tanto em sua fase progressiva quanto na fase psicodélica, pois eles demonstram tanto músicas temáticas quanto técnicas. Outra fonte de inspiração deles, provavelmente, foram bandas alternativas da década de 1980 e 1990, como Talking Heads e o Radiohead, fortemente criticas e repletas de instrumentos pesados e distorcidos. No entanto, o que os torna singulares é a origem japonesa aliada a todos esses recursos. Dessa forma, ouso dizer que essa resenha não diz nem 10% do que essa banda representa. E nem vai conseguir dizer mais do que isso, infelizmente.


8 comentários:

jorge telles disse...

"Por Pedro Zambarda de Araújo"

Por que você é o único que coloca o nome no começo dos textos?

jorge telles disse...

seria since i've been waiting for yoU, não?

Pedro Zambarda disse...

Não. Yo está no nome da música.

É o modo que os japoneses falam You.

--

Eu assino meu texto por querer. Algum problema. Isso é um erro?

Pedro Zambarda disse...

Espero que, justamente você que _adora_ apontar erros, veja algum erro nisso.

Grato.

Lidia Zuin disse...

Ah eu já conhecia essa banda! Eu gosto bastante de rock japonês e essa banda eu descobri por acaso, na época em que conheci Explosions in the Sky e God is an Astronaut. Eu adorei as músicas, mas agora não me lembro muito minuciosamente de cada música, porque já nem as tenho mais (problemas técnicos), mas acho interessante o nome dela. Mono pode ser prefixo pra significar um, individual e tal... e mono em japonês é coisa. Devem ter mais significados aí, mas são os que eu captei logo de cara. Gostei do texto e da informação. Ainda que a banda tenha um bom empurrãozinho americano, ela não é assim tão conhecida no ocidente, tais quais as bandas conterrâneas.

Pedro Zambarda disse...

É engraçado como Mono pode ser tão múltiplo e ainda manter uma identidade.

Conheço mais os álbuns You are There e One More Step And You Die. Um colega meu que curte progressivo que me passou as músicas deles.

Valeu pelo comentário, Lidia.

Will disse...

É um "álbum" riquíssimo, apesar de não ser de fato um álbum e sim uma compilação de três álbuns EPs lançados "Hey You", "Memorie dal Futuro" e "The Phoenix Tree".

Não comparo Mono a Pink Floyd porque não faz sentido esse tipo de comparação, não obstante ambas soarem maravilhosamente belas, são bem diferentes na forma de soar. Sobretudo porque o Mono parece usar um jeito Haicai de compor (já que suas melodias são 'simplesmente' belas). O Pink Floyd não se atém à simplicidade de composição, na realidade, a idéia é outra.

Eu não acho que algumas músicas tenham uma melodia 'japonesa', até porque é difícil definir o que seria. Se for uma melodia voltada ao caráter 'clássico' japonês, creio que não. Os timbres e escalas não lembram os instrumentos 'nativos' de lá. Todavia, a banda é japonesa então é incontestável que tudo que componham seja 'melodias japonesas'.

Bom, a resenha ficou ótima, apesar de algumas interpretações discutíveis (até aí, toda interpretação é discutível, então isso não é uma crítica negativa). Há gente que diz que o Dark Side of the Moon não é um álbum revolucionário. Hahahahahahaha...

Ciao.

caiyan disse...

hermes handbags
coach factory outlet
nike air max
mont blanc pens
rolex replica watches
lebron james shoes
adidas superstar
mulberry purse
ultra boost
michael kors handbags
0504shizhong

Posts mais lidos