terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Suicídio e Redenção?

Por Pedro Zambarda

Bandas conseguem morrer. Uma delas teve um ano de morte bem demarcado: 2003. A falecida: a banda histórica Metallica, no lançamento de St. Anger, um álbum que conquistou Grammy Award de 2004, mas que matou a essência deles assim que começou a rodar em público. Você pode dizer que esse trabalho "não foi tão ruim assim", que "apesar da ausência dos solos de guitarra, ele ainda é rock". Não adianta. Soa e parece algum industrialmente produzido, não o trabalho conjunto de pessoas que tocam aquela guitarra, aquele baixo e aquela bateria.

Muitos se vendem ao mercado fonográfico, é verdade. Mas você percebe nos sons e nas mixagem que a "venda" é consciente. Não é o caso de St. Anger. Seus antecessor, Load e Reload eram tentativas da banda de rumar por trilhas diferentes de Master of Puppets, o álbum que Ozzy Osbourne diz conter "a mais bela música do heavy metal". No entanto, o sucessor não parecia nem uma coisa e nem outra. Eram caras simplesmente posando de malvados e, literalmente, sustentados pela excelente carreira que tiveram anteriormente.

A repulsa de fãs, não da crítica, os obrigou a rever o dever de casa. Death Magnetic é o resultado dessa tarefa do lar: um álbum melhor produzido, com músicos com espírito para tocar e compor. Grande peça de setembro de 2008. Não traz novidades, é verdade, mas resgata o que há de melhor. "Um" Metallica morreu (ou suicidou-se?) em St. Anger. "Outro" está presente nesse, apesar dos clichês.

That Was Just Your Life, instrumentalmente, traz um thrash metal resgado e vigoroso com algumas pausas. O que marca a música é a letra que, invariavelmente, remete aos erros cometidos pela banda, como a exposição pública que fizeram no documentário Some Kind of Monster. Essa verdadeira "revisão" dá a humanidade que a banda precisava, sem soar como "música de bichinha".

Com um refrão e uma letra inteira que grudam no cérebro, The End of Line fala sobre limites e consegue mostrar o potencial de riffs do vocalista e guitarrista base James Hetfield, acompanhado por um solo arrebatador de Kirk Hammet, memorável mesmo (apesar de torcer o nariz de guitarristas que odeiam efeitos no instrumento). "The slave becomes the master". Música sobre superação mesmo.

Broken, Beat and Scarred lembra metal numa velocidade mais regular, mas com todo o seu peso e rigor. É uma música com excelentes viradas de baterias de Lars Urich, muito criticado pela som "caixa de fósforo" no CD St. Anger.

Eu não gostei de The Day That Never Comes. Não achava ela tão ruim quando saiu, porque pensava que o trabalho deles inteiro iria ser ruim. A grande maioria das pessoas que comentaram comigo acharam a faixa com a "calma adequada" pro ritmo frenético do Metallica. Eu achei a faixa uma cópia muito mal-feita de One e com a cara que foi produzida para agradar a MTV. De fato, virou o clipe principal do álbum, para minha infelicidade.

All Nightmare Long consegue soar com a dose certa de malícia e sem parecer babaca, como muitas bandas posers soam. Guitarras e refrão pegajoso em perfeita sincronia, enquanto a letra transborda inspiração. A velocidade, no final, como muitas pessoas disseram, chega ao cúmulo de parecer uma "hélice de helicóptero" em pleno funcionamento. É empolgante a energia de todos empregada nessa música.

Abusando de efeitos na guitarra, Cyanide começa com distorção para chegar em uma pausa que destaca o contrabaixo vigoroso e melódico de Robert Trujillo. Judas Kiss aposta em uma música em formato mais clássico, que define bem cada instrumento e a voz maleável de James Hetfield.

Essa faixa é a mais odiada antes mesmo de ser ouvida, justamente porque remete aos álbuns Load e Reload que criaram o rejeitado St. Anger. The Unforgiven III, no entanto, tem uma abertura belíssima em um piano não tão técnico, mas apenas sensível. Não é a "música de bichinha" que mencionei acima, mas bate em seus antecessores (especialmente Unforgiven II, que eu acho uma droga). A letra em si não tem atrativos e repete uma história que eu não sei se as pessoas ainda tem saco pra ouvir, mas capricharam nos instrumentos. Meus honestos parabéns.

"Façam Slayer" comentou um internauta do orkut sobre a música My Apocalypse. Ela tem exatamente esse fator: tem toda a fúria e os graves da banda que acompanhou, inclusive, as crises do Metallica. É verdade que essa música falta com originalidade na criação, mas, sem dúvida nenhuma, é bem-vinda em uma banda que praticamente esqueceu que fez história pela energia que transmitia em suas guitarras elétricas. É pra ouvir e bater a cabeça que nem maluco, sem parar.

Pulei uma música antes dessa última. É uma faixa que considero mística no contexto atual do Metallica: chama-se Suicide and Redemption. Não há vozes, há um instrumental agressivo, constante e... PROGRESSIVO! Sim, senhoras e senhores: o Metallica é mais uma banda vendida às técnicas musicais. Mas isso é bom em um grupo que recebeu críticas de todos os tipos. O guitarrista solo, Kirk Hammet, por exemplo, já foi aconselhado por seu professor (ninguém menos do que o conceituado Joe Satriani) a "se despedir" o instrumento, por falhas motoras ao tocar. Kirk dá um baile nessa música, mesmo não sendo o melhor dos melhores. O título em si é uma chuva de água fria pra quem estava desacreditado no Metallica.

Suicídio e redenção é o que eles precisavam. Agora, resta esperar o próximo trabalho, para saber se, finalmente, o "filho desse nascimento" tão conturbado dará frutos.

5 comentários:

Pedro Zambarda disse...

Quero fazer um acréscimo.

Quando lançaram a capa desse álbum, notaram uma semelhança mórbida entre ele e uma vagina albina, peluda.





Eu sei que é horrível, mas é engraçado lembrar dele como o "álbum da buceta". Literalmente nasceu um filho ai.

Paulinho Tanner disse...

Que merda de resenha! Começa falando com versos de trovador que o St Anger é um disco ruim. Assunto este batido, mas metaleiro pensa? Ruim é a falta de bom senso da comunidade metaleira gála seca ao não perceber um discaço como aquele. Uma verdadeira obra prima do alternative metal. Ah me esqueci é a mesma comunidade que é tão estúpida que acha mesmo que Bléqui Merdorath criou o Heavy metal sozinho (a maior falácia do universo), que Metallica morreu por ter abandonado o thrash metal. O paralelo entre St Anger e o clássico Master of Puppetes é óbvio: a sinceridade em se cantar com raiva, os tormentos em Riffs sobrepostos, soar pesado (no sentido de soar GRAVE) e não se importar com o que outros pensam. O som da caixa tão criticado no disco é apenas cópia de algo que havia sido revolucionário em 1990, 1992 pelo Helmet. Na verdade da afinação aos Riffs esse disco bebe no revolucionário Helmet e em todas suas crias.

Uma pena o Metallica ter se esquecido que em 1986 falaram muito mal do Master Of Puppetes que viria se tornas anos mais tarde a bíblia do thrash metal. Naquela época o Metallica não ligou para as críticas dos "metaleiros" e o master sobreviveu à prova do tempo com honra. As críticas negativas, foram esquecidas o Master se tornou um marco. O St Anger não é a bíblia do metal alternativo (pois essa já foi feita por outrem) no entanto, é um disco que se fosse de outra banda teria gerado no mínimo milhares de bandas cópias. Não entendeu o St Anger os mesmos patetas que não reconhecem que Metal Alternativo veio para ficar (um sub-gênero do metal que existe há mais de 10 anos, que lota todos festivais dos EUA), vive de passado quem fica nessa de "true" mamadeira do Iron Gayden, Bléqeui Merdorath. Eu tenho é pena desse povo que "acha" que entende de metal, mas fica no museu e nem visita as sessões relevantes do mesmo. Não usam nem o cérebro ficam como cachorros correndo atrás de lixos como Slayer, Iron, Sabbath e Judas. Graças a deus metal é muito mais amplo que isso e desde suas raízes no final dos anos 60. Incrível que se fale de metal e jamais se cite os criadores do mesmo Cream, Led Zeppelin, Steppenwolf, Blue Cheer, Sir Lord Baltimore e o discurso se revire na lama da mesmice. Sempre os mesmos sonhos com a parte podre do museu.

Pedro Zambarda disse...

Led Zeppelin e Steppenwolf não são citados?

Rapaz, de que planeta você veio?

Pedro Zambarda disse...

Eu gosto de rock alternativo, mas st. anger é mal feito, só isso.

Anônimo disse...

[p]In that course of a solution for that problem, he had introduced monster Dr Dre head phones to increase the clarity of the music . Since you may not need the noise reduction function all the time, buy beats by dre uk have an on/ off switch for you to utilize so that when you do not need the function, you can simply switch it off and continue to use the Beats By Dr Dre earphones like an ordinary one without using energy . Many individuals wonder why the beats by dre headphones are rather cheaper within the on the internet shops than those inside the shopping mall . HTC and Iovine, who started Beats with legendary hip-hop producer [url=http://www.solobeatsbydre.co.uk]cheap beats by dre[/url] Andre 隆掳Dr . Beats By Dre Mixr Headphones (Red)

I was expecting a little more in that area . Stick these earphones in your bonce and you隆炉ll be impressed by quite how much they make you look like a cyborg . In modern society, music is a good way to conform our fretful emotion when you are very depressed about something . But this Beats by Dr . The Monster Beats headphones do not only give the best appearance but also performance [url=http://www.solobeatsbydre.co.uk]cheap solo beats by dre [/url] since this headphone can reduce the noise coming from out side of the ears.[/p][p]The carriageable players acclimated b ou to relish heavy metal re assuredlyactual desired . Isolation i a bit n the weak cheap beats wireless side, these headphones leak sound, thr will hear what you r listening t n a quiet environment f yu crank . Final week at a complete press occasion in the Very [url=http://www.solobeatsbydre.co.uk]cheap beats by dre earphones[/url] finest Purchase in NYC, Dre shown an assortment of brand new items like the Beats doctor dre headphones This new iPod/iPhone dock abilities five25-inch bass drivers and two-inch higher frequency drivers, that are supposed to provide studio speaker top quality in a a great deal smaller bundle . The headphones are very well padded, providing a high level of comfort just for prolonged listening . Colossal Cable and Dr . Headphones manufacturer Monster promises plenty of distortion-free, brain-shattering bass, passive noise cancellation and awesome clarity . The House of Marley has released a range of earbuds and cans, David Guetta has loaned his name to a DJ-centric headset from Beats, and Chas and Dave are rumoured to be in talks with the [url=http://www.solobeatsbydre.co.uk]solo beats by dre[/url] Cockernee Headphones Co from Bow . [url=http://www.solobeatsbydre.co.uk]beats by dre earphones[/url] beatsbydreukhotsale.[/p]

Posts mais lidos