terça-feira, 19 de agosto de 2008

Chocolate amargo


Lamentável. Esse adjetivo resume a atuação brasileira na semifinal do futebol masculino. O chocolate aplicado pela Argentina, 3 a 0 no placar, acabou com o sonho do ouro olímpico.
Os “hermanos” nos superaram durante todos os 90 minutos, criando as melhores oportunidades de gols, mantendo um maior percentual da posse de bola e controlando as ações ofensivas.
Sérgio “Kun” Agüero, atacante do Atlético de Madrid, jogou a partida da sua vida. Com a presença do sogro no estádio, um certo homem chamado Diego Armando Maradona, o habilidoso jogador marcou dois gols e infernizou a defesa brasileira. Aliás, Agüero contou com grandes coadjuvantes na preparação do chocolate: Messi – até então o melhor jogador da olimpíada – foi caçado em campo e seus dribles fizeram a diferença e descontrolavam a nossa seleção, e Riquelme, o maestro do meio-campo argentino.

A derrota coloca à perigo o cargo de Dunga como técnico do Brasil e a pressão que já era grande, passará a ficar praticamente insustentável. Apática e sem inspiração, a seleção só respondeu as investidas argentinas após sofrer o primeiro gol (Rafael Sóbis acertou a trave do goleiro Romero). A Argentina retomou o controle do jogo, avançou a marcação e evitou uma reação brasileira. A tática surtiu efeito, e Agüero sozinho na pequena área, aumentou a vantagem.
Ronaldinho cobrou uma falta, acertando a trave; na sobra Alexandre Pato fez o gol, prontamente anulado pelo auxiliar. Depois do gol não marcado, o Brasil não criou mais nada e pior, sofreu o terceiro gol - após pênalti cometido por Breno, o meia Riquelme converteu. A vitória transformou-se em goleada.
Os argentinos passaram a administrar o jogo, com toques curtos. Então o Brasil perdeu a esportiva. Lucas e Thiago Neves cometeram duras infrações no volante Mascherano e receberam o cartão vermelho, desfalcando o Brasil na disputa do bronze.
A goleada a partir daí passou ao status de chocolate, com o sabor mais amargo possível para os brasileiros.

Renata e Talita não completaram a missão impossível, e acabaram derrotadas pela dupla americana, Walsh e May. As brasileiras não agüentaram a regularidade das adversárias, e a derrota foi pesada (2 a 0, parciais de 21/12 e 21/14). A dupla disputará a medalha de bronze, ao enfrentar as chinesas Xue e Zhang Xi.


Nos ringues a esperança de uma medalha terminou. Paulo Carvalho e Washington Silva foram eliminados no boxe, categorias mosca-ligeiro e meio-pesado, respectivamente. Paulo Carvalho perdeu para o cubano Yampier Hernandez por 21 a 6, enquanto Washington Silva foi eliminado pelo irlandês Kenny Egan, sem sequer pontuar, perdendo de 8 a 0. O Brasil não conquista uma premiação no boxe desde 1968, com o bronze de Servílio de Oliveira.

Ricardo Winicki, vulgo Bimba, morreu na praia novamente. Após deixar escapar o ouro em Atenas, o velejador da classe RS:X teve um mal desempenho na décima regata – chegou em 33° lugar - e mesmo vencendo a última volta, não terá chances de conquistar uma medalha.


No ninho de pássaro, Maureen Maggi e Keila Costa classificaram-se para a final do salto em distância. Maggi cravou a segunda melhor marca, com 6,79m, e se credencia as medalhas. Keila saltou 6.62, terminando as eliminatórias na oitava colocação.




Continuando no grandioso ninho, o brasileiro Jessé de Lima não conseguiu repetir o bom desempenho na final do salto em altura. O atleta terminou a competição em décimo lugar, 11 centímetros abaixo do russo Andrey Silnov, dono da medalha de ouro. Jessé acabou eliminado ao derrubar o sarrafo à 2,25m de altura, aquém do seu melhor salto de 2,30, conquistado nessa temporada.
O vôlei feminino continua sua caminhada rumo à glória. Com facilidade, as meninas venceram o Japão por 3 sets a 0, parciais de 25/12, 25/20 e 25/16. A equipe mostra evolução a cada jogo e uma paciência jamais vista, esta essencial para confrontos frente as orientais – excelentes defensoras. O Brasil enfrentará na semifinal as donas da casa, atuais campeões olímpicas. Jogo complicadíssimo, mas pelo que demonstraram até aqui as possibilidades de chegar na grande final são enormes. Lembrando que o vôlei feminino nunca avançou até o último jogo, sendo eliminada nas semifinais nas três últimas edições – conquistando o bronze em duas: Atlanta, 1996 e Sydney, no ano de 2000.

Principais resultados:
Atletismo
Salto em altura – masculino

1 - Andrey Silnov (RUS) - 2.36
2 - Germaine Mason (UK) - 2.34
3 - Yaroslav Rybakov (RUS) - 2.34
Lançamento de disco – masculino
1 - Gerd Kanter (EST) - 68.82
2 - Piotr Malachowski (POL) - 67.82
3 - Virgilijus Alekna (LIT) - 67.79
400m rasos - feminino
1 - Christine Ohuruogu (UK) - 49s62
2 - Shericka Williams (JAM) - 49s69
3 - Sanya Richards (EUA) - 49s93
100m com barreiras - feminino
1 - Dawn Harper (EUA) - 12s54
2 - Sally McLellan (AUS) - 12s64
3 - Priscilla Lopes-Schliep (CAN) - 12s64
1.500m – masculino
1 - Rashid Ramzi (BHR) - 3m32s94
2 - Asbel Kipruto Kiprop (QUE) - 3m33s11
3 - Nicholas Willis (NZL) - 3m34s16
Salto em distância – feminino
Classificadas à final:

1 - Brittney Reese (EUA) - 6.87
2 - Maurren Maggi (BRA) - 6.79
3 - Lyudmila Blonska (UCR) - 6.76
4 - Tatyana Lebedeva (RUS) - 6.70
5 - Carolina Kluft (SUE) - 6.70
6 - Grace Upshaw (EUA) - 6.68
7 - Oksana Udmurtova (RUS) - 6.63
8 - Keila Costa (BRA) - 6.62
9 - Tabia Charles (CAN) - 6.61
10 - Funmi Jimoh (EUA) - 6.61
11 - Jade Johnson (GBR) - 6.61
12 - Chelsea Hammond (JAM) - 6.60

Vôlei de praia – feminino
Semifinais
Walsh e May (EUA) 2 x 0 Renata e Talita (BRA) - 21/12 e 21/14
Tian Jia e Wang (CHN) 2 x 1 Xue e Zhang Xi (CHI) - 22/24, 29/27 e 15/8

Vôlei feminino
Quartas-de-final

Cuba 3 x 0 Sérvia - 26/24, 25/19 e 26/24
Brasil 3 x 0 Japão - 25/12, 25/20 e 25/16
China 3 x 0 Rússia - 25/22, 27/25 e 25/19
Estados Unidos 3 x 2 Itália - 20/25, 25/21, 19/25, 25/18 e 15/6

Triatlo masculino
1 - Jan Frodeno (ALE) - 1h48m53s28
2 - Simon Whitfield (CAN) - 1h48m58s47
3 - Bevan Docherty (NZL) - 1h49m05s59

Handebol feminino
Quartas-de-final
Noruega 31 x 24 Suécia
Hungria 34 x 30 Romênia
Rússia 32 x 31 França
Coréia do Sul 31 x 23 China

Basquete feminino
Quartas-de-final

China 77 x 62 Bielorrússia
Austrália 79 x 46 República Tcheca
Estados Unidos 104 x 60 Coréia do Sul
Rússia 84 x 65 Espanha

Ginástica artística masculina – Final
Barras paralelas

1 - Li Xiaopeng (CHN) - 16.450
2 - Yoo Wonchul (COR) - 16.250
3 - Anton Fokin (UZB) - 16.200
Barra fixa
1 - Zou Kai (CHN) - 16.200
2 - Jonathan Horton (EUA) - 16.175
3 - Fabian Hambüchen (ALE) - 15.875
Ginástica artística feminina– Final
Trave

1 - Shawn Johnson (EUA) - 16.225
2 - Nastia Liukin (EUA) - 16.025
3 - Cheng Fei (CHN) - 15.950

Futebol masculino
Semifinal
Nigéria 4 x 1 Bélgica
Argentina 3 x 0 Brasil

Boxe – quartas-de-final
Mosca-ligeiro (-48 kg)

Yampier Hernandez (CUB) 21 x 6 Paulo Carvalho (BRA)
Meio-pesado (-81)
Kenny Egan (IRL) 8 x 0 Washington Silva (BRA)

Um comentário:

Thiago Dias disse...

Cara, vc tem jeito pra escreve sobre esporte. Sabe bem descrever uma partida e faz comentários sucintos e relevantes. Mas sério, os erros com virgula estão mto repetitivos, assim como alguns erros sequenciais. Da uma boa revisada no texto.
abs.

Posts mais lidos