terça-feira, 17 de junho de 2008

O destino da seleção "brasileira"




Vou ser direto: a Seleção Brasileira de futebol, penta-campeã do mundo, participante de todas as copas e o time que mais venceu na história do futebol do sec. XX, vive sua pior crise na história. Não estou apenas falando dos recentes resultados, da forma de jogar, da falta de um técnico competente ou da clara falta de planejamento, mas sim da junção de todos esses fatores aliados ao simples fato de que o povo brasileiro liga cada vez menos para a seleção de seu próprio país.

No último domingo o Brasil perdeu de 2 a 0 para o Paraguai. Foi a segunda derrota seguida, algo que não ocorria desde 1997. Pior, a primeira derrota desta sequência para a Venezuela, a primeira para tal time na historia. A seleção brasileira não entrou em jogo nessa última semana. Fez duas, ou melhor, três partidas patéticas (a vitória contra o Canadá não foi uma grande exibição), com um esquema tático de time pequeno, abusando do número de volantes, esperando o time adversário atacar.


Exatamente assim, a seleção brasileira, maior seleção do mundo, estava jogando como um time pequeno, estava com medo. E a falta de vontade? Uma seleção apática, sem brilho, carrancuda e mal humorada, assim como seu “comandante”. A palavra está entre aspas mesmo, porque é assim que me refiro a Dunga. E, infelizmente, é assim que o Brasil vem jogando desde a Copa de 2006. Afinal, não devemos nos enganar com o título da Copa América, que o Brasil jogou extremamente mal e foi campeão em cima de uma Argentina amarelada.

Mas este não é o grande problema. O Brasil já passou por crises técnicas antes e sempre se reergueu delas. Seja a seleção "Lazarenta" de 1990, ou o "apagão" de 1966, sempre nos recuperamos. E a era de Dunga não é diferente. Primeiro porque nosso time é ruim, assim como nossa geração não é boa. Não dá pra acreditar que um técnico se desfaça do melhor jogador do mundo e coloque o peso da seleção brasileira nas costas de Robinho, um bom jogador, mas que nunca será um protagonista do porte de Ronaldo ou Romário. Kaká já é esse protagonista. Mesmo asism, esse não é o grande problema.


Lembro-me claramente da Copa do Mundo de 2002. Suas eliminatórias foram ruins, e o Brasil se classificou no último jogo. O técnico Luiz Felipe Scolari brigou com o país ao negar Romário e convocar o questionado Ronaldo. Mesmo assim, o Brasil ainda amava sua seleção. Se não amasse não brigaria tanto com seu Comandante (sempre me referirei a Felipão com letra maiúscula), e não apoiaria seu time em amistosos e na própria Copa incondicionalmente. O Brasil foi campeão, o Brasil se emocionou. A questão que quero levantar aqui é: quem hoje pára o que está fazendo para ver a seleção que representa seu país no mundo jogando?

Esta é a pior crise da historia de nossa seleção porque ela não é mais a seleção brasileira. Perdeu identidade e seus jogadores não jogam mais aqui. Tal fato se tornou inevitável, e também a própria seleção não joga mais no Brasil. Seus amistosos são todos em lugares distantes como Europa e EUA, jogando contra times que poderiam muito bem enfrentá-la aqui. A seleção virou um grande “Cirque du Solei”,que excursiona pelo mundo mostrando seu futebol em países ricos contra times pequenos. Tudo isso para encher os cofres corruptos da CBF, que já não pensa mais no futebol, e sim no que ele pode trazer. Quem liga para a seleção hoje? Quem liga para a Copa de 2010? O que importa mesmo é a Copa de 2014 não é? Afinal, faremos uma grande Copa, sem problemas técnicos e sem desvio de dinheiro.

De fato, quando a seleção joga Brasil, apenas em jogos oficiais, diga-se de passagem, os estádios enchem. Mas tal fenômeno só se dá pelo exótico. Se antes o público ia aos jogos para ver mais um jogo de sua seleção, que ele estava acostumado a ver, hoje vemos um time só se assiste na frente da TV. Um time que estamos acostumados a ver jogar de mangas compridas por causa do frio do hemisfério norte, e que tentamos repetidamente amar, apesar de todas as dificuldades. Infelizmente esse amor está diminuindo. Diminuindo a ponto dos adolescentes de hoje torcerem para a Holanda, Alemanha ou até mesmo, quem diria, Argentina. Seleção Brasileira? Isso é coisa de velho. Pelé? Que nada, bom mesmo é Messi, Cristiano Ronaldo ou Kaká, aquele jogador do Milan sabe? Nunca pensei que tal dia chegaria, mas a Seleção Brasileira de futebol se transformou na Seleção “Brasileira” de futebol.



*A foto que ilustra o post é uma homenagem a uma das maiores seleções que o mundo já viu. Neste ano se completarão 50 anos do primeiro título mundial. Seria bom se isso servisse de inspiração para a CBF e nossos jogadores.

10 comentários:

Pedro Zambarda disse...

Achei o texto muito prepotente por partir do pressuposto que a geração atual não presta. Acho que estamos sem jogadores de talento porque ACONTECEM crises. Nem tudo é tão redondo ou tão disforme quanto parece.

Há talentos que já existem e, como você citou o Kaká, não são bem utilizados.

É isso.

Thiago Dias disse...

Não, veja bem, não disse que a seleção não presta, mas que ela não eh boa. Para um simples efeito de comparação, na crise que a seleção teve em 1993, tinhamos talentos como Cafu, Roberto Carlos, Bebeto e o próprio Dunga. E considero tanto Kaká como Ronaldinho Gaúcho de uma geração anterior, Copa de 2002

Pedro Zambarda disse...

Mas nenhum deles está gordo ou dorme com travecos.

Sei que a comparação é superficial, mas, para efeitos didáticos, isso principalmente não se aplica ao Kaká. Poucos meses atrás o rapaz era VIRGEM.

Ele ainda tem tempo e dinheiro pra deixar de ser playboy e empreender aqui no Brasil.

Essa coluna foi boa para discutir o contexto atual, creio eu.

Pedro Zambarda disse...

(Aliás, eu não tenho nada contra gordos, sendo um. E também não tenho nada contra travecos, mesmo não dormindo com nenhum. Falei porque soou engraçado)

Ronaldo ainda tá sendo usado desde 1998. O tempo de um jogador vai além de uma Copa.

Thiago Dias disse...

De um grande jogador. Não vamos esquecer q o Ronaldo eh um caso a parte, um dos maiores atacantes que o mundo ja viu. Acontece que o Dunga foi contratado com o intuito de gerar uma renovação na seleção, e esta renovação esta baseada em cima de uma geração ruim de jogadores, a chamada geração olimpica

Gabriel Carneiro disse...

Gente, ninguém mais hoje em dia é virgem. É tudo bom mocismo para exibição...

Pedro Zambarda disse...

Eu não duvido nada de alguém da Igreja Renascer em Cristo.

O que é muito pior do que "bom-mocismo" hahahahahaha

Thiago Dias disse...

Um cara que nem o Kaká não precisa de exibição. Ele eh um dos esportistas mais poderosos do mundo. Não teria motivos pra isso

Gabriel Carneiro disse...

Sim, Thiago, e a Britiney Spears e a Sandy também eram virgens.

Pedro Zambarda disse...

A Britney tá careca e a Sandy ainda não se aventurou em música evangélica.

Não consigo separar a definição de castração e Renascer em Cristo.

Posts mais lidos