segunda-feira, 2 de junho de 2008

O pesadelo dos assessores de imprensa

O presidente Lula discursa bem; disso não há dúvidas. Ao longo dos anos de atuação no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC ele desenvolveu suas técnicas de oratória e de domínio de palco. O grande problema é quando ele decide improvisar durante longos discursos e dando declarações breves.
Em visita à Itália, o presidente criticou as declarações de um recente relatório da Anistia Internacional, que compara o trabalho nas lavouras de cana-de-açúcar a trabalho escravo. "Todo mundo sabe que o trabalho na cana é duro. Mas não é mais duro do que o trabalho em uma mina de carvão, que foi a base de desenvolvimento da Europa. Pegue um facãozinho e passe um dia cortando cana e desça numa mina a noventa metros de profundidade para explodir dinamite pra você ver o que é melhor."
É, presidente, nada como passar o dia com um facãozinho cortando matinho.

3 comentários:

Bruna Caricati disse...

Saudoso presidente!

Ronin disse...

Com a grana e estabilidade do assessor dele, eu até daria uma risadinha a cada pérola do Lula. No fim da vida, eu teria sorrido mais do que qualquer vedete de F1 sorri quando vê um piloto rico e promissor marido. Boa, Fernando.
Sempre que possível, passarei aqui...afinal, ainda sou Foca.

Thiago Dias disse...

O Lula é um orador fantástico, mas alguém devia da um jeitos nessas gafes dele. Se bem, que já fazem parte da própria persona do presidente

Posts mais lidos