sexta-feira, 13 de junho de 2008

O fim de uma obra de arte, "videogame-arte"

Hideo Kojima, criador da série de jogos de videogame Metal Gear e Zone Of Enders para as plataformas Playstation, Game Cube, Xbox, Playstation 2, lança, no dia 12 de junho, ontem, o último episódio de uma das maiores entre suas séries de entretenimento. Metal Gear Solid 4: Guns of Patriots chega ao Playstation 3 encerrando a saga do já adoecido e velho Solid Snake, acabando com todos os clichês e mostrando, sem heróis e nem vilões, personagens vivos e permanentes na memória de jogadores pelo mundo todo.

Por Pedro Zambarda de Araújo

Para muitas pessoas, videogames não possuem muita importância, são meras distrações ocasionais, fúteis muitas vezes. Para admiradores de Kojima, essa máxima não pode valer, uma vez que a criação de Metal Gear Solid, o original, em 1998, transformou a forma de criar jogos: os personagens eram interpretados por atores de cinema, o enredo é repleto de clichês retirados de filmes como Rambo, embora o criador japonês também coloque uma dose certa de filosofia oriental e formas alternativas de abordagem dos episódios. O resultado é, na saga de Snake, uma história intrigante, aparentemente voltada no tradicional "governo versus ameaça internacional", mas que se transforma em uma grande crítica sobre o heroísmo nos dias de hoje.

Em Nova Iorque, dia 12, após uma "turnê" que incluiu países da Europa, Hideo Kojima apareceu para autografar exemplares dos jogos aos fãs que foram prestigiar seu trabalho na Virgin Megastore. O game, com o protagonista Solid Snake doente geneticamente, totalmente envelhecido, critica as guerras no Oriente Médio, mostrando os conflitos causados por Liquid Ocelot e sua nova máquina: a fortaleza móvel Outer Heaven. Snake também deverá encarar réplicas do terrível robô Metal Gear em miniatura, os chamados Gekkou, tudo isso sob uma jogabilidade que engloba técnicas de artes marciais para não ser notado por seus inimigos e poder sobreviver.

Sendo o último capítulo dessa série, a obra de Kojima consagra sua genialidade como pioneira no gênero chamado Tactical Espionage Action Game, além de usar mídias Blue-Ray no console Playstation 3, com mais que o dobro da qualidade gráfica de um DVD. Sobre detalhes do enredo, que interessam principalmente jogadores que acompanham a história de Solid Snake, a história não é apenas um "Indiana Jones velho", ou "Rambo em tempos de aposentadoria". Ela guarda segredos que, finalmente, não pouparão o final definitivo da série. Todos os personagens omitidos e todas as situações mal-explicadas serão esclarecidas.

Para fãs, entender o que foram os Patriots, as conspirações e a fantasia criada por Kojima fazem parte de uma diversão inteligente, que traz inovações e uma densidade artística que surpreende leigos. Isso também é explicado pela trilha sonora cinematográfica de Harry Gregson-Willams e os desenhos conceituais do japonês Yoji Shinkawa, famoso por pinturas impressionistas que são seu traço pessoal. Essas características são únicas dentre tantos jogos de videogame, também presentes nessa conclusão de saga.

Ultima foto é capa da pré-venda de Metal Gear Solid 4. A foto anterior é a capa oficial.

3 comentários:

Thiago Dias disse...

Sem nenhum exagero: Metal Gear Solid é o "Poderoso Chefão" dos games.

Pedro Zambarda disse...

Sim, um enredo batido nas mãos de um mestre de criação.

Lidiane Ferreira disse...

Como uma super-leiga em vídeo-games, até que gostaria de ver esse jogo!

Posts mais lidos