sexta-feira, 30 de maio de 2008

Ninguém fez como ele - Do Báu: um texto já feito há um ano, sobre um alguém atemporal


A profissão de repórter pode lapidar em alguém um certo talento para a crônica. Ao tratar sobre os acontecimentos do dia a dia, o jornalista pode desenvolver, sem querer, um olhar atento para os detalhes. Passa a imaginar uma notícia em cada coisa que vê ao seu redor e que se passa em sua vida. E, em sua cabeça, como gostaria de fazer em seus textos, narra cada fato com uma carga subjetiva, cheia de afetividade.

Rubem Braga é um exemplo desse tipo de repórter. Usa toda sua habilidade e experiência jornalística – foi correspondente durante a Segunda Guerra Mundial – em suas crônicas. Narra de forma a transportar o leitor para o tempo da crônica, o fazendo sentir cada sensação descrita, sentir os cheiros, ver as imagens. Isso, talvez, pelo fato de ter atuado durante as décadas de 30 e 40 – esteve em atividade até o fim dos anos 70 –, quando o cuidado com a linguagem era maior, o vocabulário mais rebuscado e a informalidade da crônica estava no fato de ela abordar o lado sentimental deixado de lado pela notícia.

Um ótimo exemplo de seu estilo é o texto Batalha no Largo do Machado, onde descreve uma festa de carnaval realizada em uma região pobre do Rio de Janeiro. “Os tambores surdos fazem o mundo tremer em uma cadência negra, absoluta. E no fundo a cuíca geme e ronca, nos puxões da mão negra (...) e aquela negra de papelotes azuis canta como se fosse morrer.” A atenção com a ambientação pode ser encontrada em muitas outras. Uma, em particular, se faz forma brilhante: no texto Almoço Mineiro, descreve uma mesa rodeada de amigos, menciona as comidas postas à mesa, seus cheiros e, também, suas lembranças: (...) “Havia arroz sem colorau, couve e pão. Sobre a toalha havia também copos cheios de vinho ou de água mineral, sorrisos, manchas de sol e a frescura do vento que sussurrava nas árvores” (...)

Já em A Menina Silvana pode ser confirmada sua veia jornalística. Nessa crônica, ele conta a história da menina Silvana, vítima de uma mina terrestre durante a II Guerra. Ao reportar em uma crônica o que houve com a garotinha, um assunto que provavelmente seria ignorado pelos jornais da época, Rubem Braga leva ao conhecimento dos leitores a face mais terrível da Guerra: o envolvimento de inocentes.

Misturando sua profissão de jornalista à escrita de crônicas, Rubem Braga se revela e se mostra um brilhante cronista-repórter, capaz de retratar com uma objetividade apaixonada os fatos efêmeros de seu dia a dia, transformando-os, através da linguagem literária, em registros universais sobre as paixões, as lembranças, as injustiças e a beleza (nem sempre tão bela) da vida.

4 comentários:

Pedro disse...

E muita gente liga os cronistas apenas na literatura.

A crônica é um dos poucos textos com visão dos arredores.

Laís Clemente disse...

Sim, a crônica tem uma visão do mundo a sua volta.

Mas a pergunta que não quer calar persiste:

E que raios é ensaio???

Pedro disse...

resenha com ares de crônica, Lalis.

Esse texto da Lidi pode ser considerado ensaio.

Mônica Alves disse...

Eu acho que todo jornalista tem que ter essa sensibilidade. O profissional não pode se prender a um único tipo de escrita, a apenas um lado. A crônica tem que ser uma parte da pessoa que escreve, pois isso lhe garante uma gama de visões ainda maior, seja ele um simples repórter ou um grande colunista.

Posts mais lidos