quinta-feira, 22 de maio de 2008

A volta da contribuição provisória (sic!)

A instituição de um novo imposto sobre movimentações financeiras será proposta pelos líderes da base aliada do Palácio do Planalto. O tributo terá alíquota de 0,1% e será destinado à área da saúde. Para não dar a impressão de que estão ressuscitando a CPMF, os aliados pretendem chamar o imposto de Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide). Henrique Fontana, o líder do governo na Câmara, declarou que a contribuição será permanente e destinada exclusivamente para a saúde. A alíquota de 0,1%, de acordo com suas estimativas, poderá arrecadar R$ 10 bilhões no próximo ano. Segundo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no entanto, não partirá do governo qualquer iniciativa para que o Congresso aprove qualquer imposto. Ele, como sempre, não sabe de nada e não está envolvido em nada que possa desagradar seus eleitores.

4 comentários:

Mel disse...

o Lula impressiona pelo protagonismo! xD

Pedro disse...

Não me espanta o Lula, me espanta as táticas pra piorar a reforma tributária.

Isso confirma minha teoria que o problema brasileiro é ainda mais judiciário que político. Tá faltando julgamento e cassação pra esses caras.

Fernando Gonzalez disse...

Concordo. A cada dia a minha fé no STF diminui. Mesmo com a Ellen Gracie lá em cima.

Thiago Dias disse...

O Brasil e seu vício em impostos. Impressionante como o país não consegue se livrar da dependencia da CPMF. As vezes até espanta como o governo ignora completamente o peso economico que um imposto desse tem para o crescimento do país

Posts mais lidos