quinta-feira, 29 de maio de 2008

Sopa de Letras

Mestre, discípulo. Pai e filho, dai-me o brilho. Relação. Revelação

Outro dia estava conversando no corredor sobre professores. Sempre falo deles, muitas vezes mal, poucas vezes elogio. E há dias que essa mentira cai e eu reconheço os pontos positivos, a genialidade escondida em um procedimento aparentemente deficiente. Se professores fossem máquinas perfeitas, as células defeituosas seriam apenas os alunos. A hierarquia errante estimula o discípulo fiel a mudar isso. A lógica, de tão aceita e perfeita, gera desleixo e preguiça, que é descartada na corrida entre os jogadores.

Foi essa pequena conclusão que tirei dessas palavras dissipadas nos corredores claustrofóbicos da Cásper Líbero. Não temos o direito de falar mal desses senhores e senhoras que tentam nos fazer ingerir um mercado, absorver uma teoria e digerir uma prática. Cuspimos infinitamente no prato que comemos e, é duro reconhecer isso, está tudo previsto no script.

No meio dos germes da saliva despejada, alguns alunos fazem como o samurai suicida: cometem o harakiri profissional e crescem abortados previamente. Outros percorrem a carreira profissional com ferimentos na escala do furo de um canhão. Uns perdidos não mudam o mundo com suas espadas, mas com o ar que respiram, transpiram esperança e transparência. Há outros tantos, dos tipos mais bizarros e familiares

O desnível dos pais para filhos, do comunicador para o suposto alienado e do sábio para o ignorante geram os fluídos impiedosos da relação: ora o prato chacoalha a comida, ora o grão de arroz altera toda a ordem dentro do prato. Se fóssemos nivelados, não haveria porque emitir tantas disparidades, tantas possibilidades. A escolha serve pra duas coisas: identificar e reprimir. Para cada porta aberta, alguém ficou trancado, asfixiado.

Por isso, quando temos uma família desestabilizada, a realidade não é cruel, mas é óbvia: a sua força deve estar compatível para te salvar e renovar essa força destruída. O jornalismo ora é destruído por forças externas, espalhadas pela sociedade, é corrompido. A fonte, as pessoas afetadas pela matéria, também são pré-julgadas e elouquecidas por pequenos montantes de papel impresso. Verme versus Homem. Homem versus Verme. Verme que é Homem. Homem que é Verme.

Sopa de Letrinhas são crônicas publicadas às quintas-feiras.

Falam de comunicação, de protesto e contra-protesto.

6 comentários:

mel disse...

esse texto tá phoda. O.O

Gabriel Carneiro disse...

Desculpe-me, Pedro. Mas tenho todo direito de reivindicar uma aula boa, que me interesse, que me estimule. Para ouvir baboseira, vou fazer outra coisa. Aulas são mercadorias, eu pago caro por elas. É bom que sejam boas.

Pedro disse...

Gabriel

Contrate um robô, ele funciona melhor.

Thiago Dias disse...

Texto mágnifico Pedro, sua melhor crônica até aqui.
E concordo com o Gabriel que temos que reinvidicar aulas boas, mas também concordo que se quiser algo perfeito, procure um robô e se torne um bitolado. É meio caminho andado para tal

Mônica Alves disse...

Acho que todos têm o direito de errar, inclusive professores. Lógico que a persistência nestes nos dão o direito de reclamar, mas ao mesmo tempo temos que pensar que aquelas pessoas ali são humanas, com qualidades, defeitos, problemas...
Ótimo texto Pedro, muito bom mesmo!

ninest123 disse...

yeezy boost
adidas yeezy
red bottoms
marc jacobs bags
hermes handbags
parker pens
adidas yeezy
louis vuitton outlet store
adidas outlet
ray ban sunglasses
mt0708

Posts mais lidos